Aplicativo para denunciar violência doméstica é divulgado no ES

Ferramenta faz parte da campanha "euligo180", do Ministério Público.
Canal de denúncias também pode ser acessado em outros países.


Um aplicativo de celular distribuído pelo Ministério Público (MP) tem incentivado a luta contra a violência doméstica em todo o Brasil. A ferramenta foi divulgada pelo órgão também no Espírito Santo e pode ser baixada por qualquer usuário por meio de um aparelho smartphone. De acordo com o MP, o aplicativo faz parte da campanha "#euligo180", que tem o objetivo de promover a divulgação ampla do canal de denúncias.

Uma das iniciativas das campanhas é fazer com que as mulheres pintem a unha do dedo indicador com a cor branca, para mostrar que apoiam a causa. Quem aceitar aderir deve postar uma foto da unha na rede social, acompanhada pela hashtag que dá nome à campanha. A população pode, ainda, baixar uma moldura em branco por meio do programa de celular e aplicar nas fotos, antes de fazer o compartilhamento nas redes.

De acordo com a procuradora de Justiça e dirigente do Núcleo de Enfrentamento à Violência Doméstica do MP, Catarine Gazeli, a ideia é colocar a população para auxiliar na divulgação da campanha, ao mostrar que que essas pessoas se importam com a situação.

Ainda de acordo com Caterine, a iniciativa não se resume apenas à violência física contra a mulher, mas aos diversos tipos, entre eles os de difícil constatação. "A violência psicológica é a mais difícil de fazer a materialidade para conseguir a condenação. Ela acontece por meio de ameaças, de cárcere privado, como um marido que não deixa a mulher visitar a família e a tranca dentro de casa, por exemplo. Isso é mais comum do que a gente imagina", contou a procuradora.

A dirigente do núcleo ainda alerta que, apesar de haver dificuldades na hora de encontrar as provas para embasar a denúncia, as vítimas não devem ficar caladas. "Essas situações muitas vezes são difíceis de se comprovar para uma condenação, mas é necessário que se denuncie", explicou Caterine.

Atualmente, o telefone 180 funciona como um disque-denúncia, em que a mulher encontra orientação e encaminhamento. As vítimas brasileras que estiverem na Espanha, Itália e Portugal, e sofrerem algum tipo de agressão também podem entrar em contato com os resposnáveis.

Fonte: G1.com